• IEBW Instituto Bit World

Capital estrangeiro sai da Bolsa em maior ritmo desde 2008

O fluxo de recursos estrangeiros na Bolsa brasileira em 2019 registrou o pior saldo no acumulado até agosto em comparação a 2008, ano da crise financeira global. Ou seja, os investidores externos tiraram mais recursos do que aplicaram na B3. Até o dia 15 deste mês (dado mais recente), o volume estava negativo em R$ 19,1 bilhões. Em 2008, o saldo no vermelho registrado no ano até o fim de agosto era de R$ 16,5 bilhões. O valor de agora é pior até mesmo do que o de setembro daquele ano (-R$ 18,3 bilhões), quando o mercado já repercutia a quebra do banco Lehman Brothers.

Para o coordenador do laboratório de Finanças do Insper, Michel Viriato, essa saída de capital é parte importante do movimento que se observa na valorização do dólar - que fechou ontem a R$ 4,07, o maior valor em três meses - e queda do Ibovespa, principal índice da Bolsa paulista, que perdeu os 100 mil pontos na última semana e terminou o dia de ontem mais uma vez em baixa.



Possuímos aulas gravadas e presenciais em forma de plano de estudos amplamente adaptado a todos os formatos de alunos. Saiba mais!

Viriato chama a atenção para o fato de que os estrangeiros já estão em ritmo de saída desde 2018. O ano - que teve greve de caminhoneiros e eleições presidenciais, trazendo insegurança ao mercado - acumulou R$ 11,521 bilhões em saídas - valor inferior ao registrado só nos primeiros oito meses deste ano.


"Criou-se uma expectativa, que está sendo frustrada, de que o estrangeiro estaria olhando apenas para a reforma da Previdência para voltar ao Brasil. Mas ele está olhando para o contexto global, no qual os emergentes não parecem boas opções", diz Viriato.


O professor explica que o cenário de guerra comercial entre os EUA e a China representa risco para o crescimento dos emergentes, que têm o país asiático como parceiro comercial. Somado a isso, o risco de desaceleração global que já persegue os investidores faz aumentar a busca por segurança e, consequentemente, a saída de investimentos de economias emergentes.



Aqui você não perde tempo pensando no que estudar, nós pesquisamos e trazemos os assuntos mais cobrados de bandeja para você. Confira!!!

Cenário doméstico


Para o coordenador do Centro de Estudos em Finanças da FGV, William Eid Júnior, a situação interna do Brasil também repele os investimentos de fora. "As reformas deveriam ter andado de forma mais acelerada. A recuperação da atividade econômica está muito lenta. O IBGE deve divulgar em breve números que nos colocam em recessão técnica", diz.


"Considerando tudo isso, mais a busca global por segurança, as prévias da eleição argentina foram a gota d'água para os investidores de fora", explica o professor que pontua ainda que a participação de mais de 40% de estrangeiros na Bolsa brasileira indica que eles ainda têm a maior influência no mercado financeiro do País.



Fonte: https://www.terra.com.br/economia/capital-estrangeiro-sai-da-bolsa-em-maior-ritmo-desde-2008,6e3020fccab2e2a5699c87152bfd0a7ezjoqnc0l.html?utm_source=NEWSSTAND&utm_medium=rss

0 visualização

Sede IEBW

Av. Anita Garibaldi, 850 - Cabral
Torre C / Sala 103
Condomínio Edifício Infinity Prime
 

Ao Lado da Justiça Federal


CNPJ 09.003.309/0001-00

Email. comercial@iebw.com.br

Telefone. 41 9 9843-4511

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram

© 2020 IEBW - Todos os direitos reservados